Logo propaganda

Política de Ética da RVS

Agência RVS não admite que seus profissionais pratiquem ato ilegal, antiético ou desonesto para obter informações. Não adote nenhum procedimento que não possa ser revelado ao leitor na publicação da reportagem.

  • Identifique-se como jornalista sempre. A omissão é admitida em condições excepcionais: quando houver risco à segurança do profissional ou quando a notícia, considerada de notório interesse público, não puder ser obtida de outra maneira. Em situações desse tipo, sempre consulte a Direção de Redação e, na publicação, explique ao leitor como foi feita a reportagem. Quando sua identidade for questionada durante a apuração, não minta -salvo em caso de risco à própria segurança.
  • Nos casos de avaliação de serviços, porém, o anonimato profissional é recomendável. Ao avaliar um restaurante, por exemplo, é conveniente ficar anônimo para não obter atendimento especial.
  • Em condições excepcionalíssimas e após aprovação da Direção de Redação, autores de reportagens consideradas de notório interesse público podem recorrer a métodos inusuais para investigar uma prática ou situação condenável.

Por exemplo: embarcar em voo de carreira com estilete na bolsa para testar a fiscalização ou requisitar RG em vários estados para avaliar o sistema brasileiro de identificação. Na publicação, descreva o procedimento adotado.

  • Não configura ato ilegal gravar ou filmar sem conhecimento dos interlocutores e divulgar conversas de que o repórter tenha participado. No entanto, respeite a vontade do interlocutor que pedir para não ser gravado ou fotografado.

Por outro lado, salvo nos casos de investigação autorizada judicialmente, gravar conversas entre terceiros é crime.

Informação obtida a partir de gravação não autorizada só deve ser publicada se houver interesse público evidente e após consulta à Direção de Redação.

  • Se a fonte da reportagem for um documento sigiloso, esclareça o que for possível sobre sua origem, para que o leitor possa formar juízo acerca do grau de confiabilidade da informação.
  • O jornalista não deve reproduzir material informativo de assessorias de imprensa ou departamentos de comunicação, por mais confiáveis e profissionais que pareçam. Trate os dados como informação a ser checada e retrabalhada.
  • Recomenda-se que, no exercício da profissão, o jornalista da Agência RVS se comporte e se vista de modo a não destoar do ambiente de atuação e das fontes com as quais se encontra.

Relação com fontes

Toda fonte de informação deve ser tratada com polidez e transparência. Como regra, o jornalista deve utilizar os pronomes de tratamento senhor e senhora. Na interlocução com ex-autoridade, é praxe tratá-la pelo cargo mais alto que tiver ocupado.

  • Cultivar sua rede de contatos é tarefa fundamental, mas evite a proximidade excessiva com fontes ou personagens do noticiário. Informe sempre aos superiores se tiver ou vier a desenvolver relacionamento que extrapole os limites profissionais e possa interferir no seu trabalho ou aparentar conflito de interesses.
  • O jornalista não pode oferecer valores ou favores pessoais em troca de informação. Tampouco pode aceitar valores ou favores pessoais para publicar ou omitir uma notícia.
  • Deixe claro ao interlocutor que ele está sendo entrevistado e explique qual é o objetivo da reportagem. Na conversa, é importante que fiquem esclarecidas quais declarações devem ser consideradas off-the-record e quais podem ser atribuídas à fonte.
  • Faça anotações e, sempre que possível, grave a conversa: o registro aumenta a segurança não só do repórter mas também do próprio entrevistado quanto à reprodução exata do que foi dito e pode ser usado como prova em caso de processo judicial.
  • O jornalismo da RVS não submete textos jornalísticos a fontes para leitura antes da publicação. Exceções devem ser decididas pela direção da redação.
  • O repórter não deve assumir compromissos sobre a publicação de determinado conteúdo nem prometer destaque ou data de veiculação. São decisões que fogem de sua alçada.
  • É vedado vazar documentos ou comunicados internos do jornal, conteúdo de reportagens e dados confidenciais, como resultados de pesquisas RVSDATA.
  • O sigilo da fonte é garantido pelo artigo 5o, inciso XIV, da Constituição, mas a responsabilidade judicial sobre uma informação anônima é de quem a publica -o processo pode ter como alvo apenas o jornal, apenas o jornalista ou ambos. A RVS admite a quebra do anonimato em casos extremos, como a transmissão deliberada de informação falsa por parte da fonte ou o descumprimento de acordo cujo resultado comprometa a imagem do jornalista ou do jornal. A decisão é tomada pelo profissional em conjunto com a Direção de Redação.

É DIREITO DA FONTE E DO PERSONAGEM DA NOTÍCIA

  • Ser tratado com respeito e cortesia;
  • Gravar a conversa com o jornalista;
  • Ser ouvido por outro profissional caso exista obstáculo intransponível na relação com determinado jornalista;
  • Permanecer anônimo quando prestar informações off-the-record;
  • Dispor de prazo razoável para responder a questionamentos da reportagem, salvo se a publicação exigir urgência;
  • Ter sua versão dos fatos publicada junto da acusação (outro lado) ou, em caráter excepcional, tão logo seja possível;
  • Conversar com superiores hierárquicos do repórter;
  • Solicitar a publicação de erratas;
  • Recorrer ao ombudsman.

Ao produzirem reportagens para a RVS Notícias, os colaboradores devem respeitar as determinações acima.

Redes sociais

As balizas éticas que guiam os profissionais no ambiente offline também se aplicam online. No contexto de hiperexposição e mutação das redes sociais, contudo, multiplicam-se as dúvidas para as quais o jornalista não encontra respostas fáceis. Esta seção lista normas e diretrizes que ajudam a lidar com os problemas mais frequentes.

* A RVS encoraja seus profissionais a manter contas em redes sociais. Se bem administradas, elas se tornam ferramentas úteis para fazer novos contatos e cultivar antigos, para pesquisar pautas, tendências
e personagens, para agilizar apurações e promover conteúdo próprio e de colegas de jornal, expandindo o alcance do material publicado.

O PROFISSIONAL DA RVS NÃO PODE

  • Antecipar reportagens e colunas que serão publicadas (incluindo teasers), mesmo as de sua autoria, salvo com autorização da direção de jornalismo da Agência.
  • Divulgar bastidores da Redação ou dados e documentos internos da empresa, a menos que seja decisão do jornal;
  • Emitir juízos que comprometam a independência ou prejudiquem a reputação, a isenção ou a linha editorial da RVS ou de seus jornalistas;
  • Destratar quem quer que seja. Em caso de insultos ou ofensas pessoais, responda educadamente ou ignore, mas jamais troque desaforos. Se pertinente, o editor-chefe deve ser informado da altercação. Esse comportamento também é esperado de colunistas.

Veja os contatos a seguir:

FALE COM A RVS

QNO 09, CONJUNTO G, SALA 39, CEI NORTE
BRASÍLIA – DF
15 99719-6369
61 3526-7399

Ir Topo